domingo, 16 de agosto de 2009

Videos Osho Rajneesh

http://www.homeoflife.com/gop/videoplayer.html?currVideo=0&currCateg=0

Amigos misteriosos, apreveitem pois não sei até quando estes videos estarão disponíveis.

Abraços

Anand Pavitra

sábado, 15 de agosto de 2009

O Dragão com Asas de Borboleta e Outras Estórias Zen-Taoístas



Txé Rekha e Boundha ficaram íntimos amigos, depois que este beijou o sapo.
Muitas vezes passearam juntos no bosque Chow Chow Tha, conversando sobre os ensinamentos do mestre Paw Nokoko.
- Por que você não escreve todas estas nossas experiências?, sugeriuTxé Rekha.
Boundha escreveu um livro em homenagem a Paw Zan, o crocodilo vegetariano e taoísta, e deu-lhe o título:
"O dragão com asas de borboleta e outras estórias Zen-Taoístas".
Levou-o a Paw Nokoko, que leu atentamente. Entregando-o de volta, sugeriu:
- Imprima-o em papel suave e absorvente...
Txé Rekha, que estava presente, comentou:
- O mestre tem toda razão. Se o terceiro olho (situado entre as sobrancelhas) tem a capacidade de ver o invisível, o quarto olho é sensível e, se treinado, pode ler nas,entrelinhas."
Todos riram e dançaram felizes por estarem juntos.

.........................................................................................

Paw Nokoko e o sapo comedor de moscas
Um sapinho da espécie Bufo saltitava distraidamente num bosque quando caiu num poço. estava escuro,mas ele logo sentiu que era um lugar acolhedor com água e comida farta.porem o melhor é que havia uma planta rara que exalava um fedor de carniça que atraia uma espécie de mosca que o sapinho comia com deleite.

E assim o tempo foi passando e o sapo Bufo engordando.
Até que um sapo velho passou por ali e ouviu o coaxar do sapo Bufo no fundo do poço.
“ei!”, gritou o sapo velho, “o que você fazendo ai no fundo deste poço escuro e fedorento?”
“comendo moscas deliciosas”, respondeu o sapo Bufo.
“Aqui fora tem muitas outras coisas deliciosas”, acrescentou o velho sapo.
“dê um exemplo!”
“a luz! a liberdade...

E fez uma digressão tão convincente sobre aquelas coisas deliciosas que o sapo Bufo se interessou em sair do poço. Deu vários pulos, mas não conseguia alcançar a borda.
Então o velho sapo jogou uma linha para o sapo Bufo subir, mas ele estava tão pesado que, bufando, não conseguia subir nem um metro.

O sapo velho disse-lhe:
“você está muito pesado de tanto comer estas moscas suculentas. vou lhe dar uma disciplina alimentar para que você emagreça e possa sair daí.”
Eram umas poucas, mas efetivas regras...
O sapo Bufo, alentado pelas palavras do velho sapo, seguiu as regras e emagreceu um pouco. e tentou subir novamente.

No meio do caminho uma das suculentas moscas passou por ele rumo às flores fedorentas. o sapo Bufo não agüentou –deu um pulo no ar tentando apanhar a mosca.
E caiu até o fundo onde se fartou comendo muitas moscas...
E começou a gritar: ”velho imundo! não existe luz nem liberdade, coisa nenhuma! só as moscas!”
E sempre que outro sapo velho tentava convencer-lo a sair ele o criticava asperamente, ironizando a luz e a liberdade.

Moral prashantetica- quem não quer sair do fundo do poço vira um sapo critico comedor de moscas.

FONTE: "O Dragão com Asas de Borboleta e Outras Estórias Zen-Taoístas" - Sw.Deva Prashanto

quarta-feira, 13 de maio de 2009

O Assassinato de Cristo

Wilhelm Reich

Reich dava grande ênfase à importância de desenvolver uma livre expressão de sentimentos sexuais e emocionais dentro do relacionamento amoroso maduro. Reich enfatizou a natureza essencialmente sexual das energias com as quais lidava e descobriu que a bioenergia era bloqueada de forma mais intensa na área pélvica de seus pacientes.
Ele chegou a acreditar que a meta da terapia deveria ser a libertação dos bloqueios do corpo e a obtenção de plena capacidade para o orgasmo sexual, o qual sentia estar bloqueado na maioria dos homens e das mulheres.
As opiniões radicais de Reich a respeito de sexualidade resultaram em consideráveis equívocos e distorções de seu trabalho por autores futuros e, conseqüentemente, despertaram muitos ataques difamatórios e infundados.
Wilhelm Reich se interessou muito pela sexualidade humana. Quando era jovem estudante de Medicina, Reich visitou Freud pela primeira vez para procurar ajuda a fim de organizar um seminário sobre sexologia na escola médica que ele freqüentava (Higgens e Raphael, 1967). Além disso, a principal atividade política de Reich consistia em ajudar a fundar clínicas de higiene sexual patrocinadas pelos comunistas para a classe trabalhadora, na Austria e na Alemanha.
As idéias de Reich e suas clínicas eram muito controvertidas para a época e seu programa de para as clínicas de orientação sexual incluía características modernas ainda hoje. Entre seus tópicos destacavam-se:
1. Livre distribuição de anticoncepcionais para qualquer pessoa e educação intensiva para o controle da natalidade.
2. Completa abolição das proibições com relação ao aborto.
3. Abolição da distinção legal entre casados e não-casados; liberdade de divórcio.
4. Eliminação de doenças venéreas e prevenção de problemas sexuais através da educação sexual.
5. Treinamento de médicos, professores etc., em todas as questões relevantes da higiene sexual.
6. Tratamento, ao invés de punição, para agressões sexuais.

Caráter
De acordo com Reich, o caráter é composto das atitudes habituais de uma pessoa e de seu padrão consistente de respostas para várias situações. Inclui atitudes e valores conscientes, estilo de comportamento (timidez, agressividade e assim por diante) e atitudes físicas (postura, hábitos de manutenção e movimentação do corpo).
O conceito de caráter já havia sido discutido anteriormente por Freud, em sua obra Caráter e Erotismo Anal. Reich elaborou este conceito e foi o primeiro analista a tratar pacientes pela interpretação da natureza e função de seu caráter, ao invés de analisar seus sintomas.

A Couraça Caracterológica
Reich sentia que o caráter se forma como uma defesa contra a ansiedade criada pelos intensos sentimentos sexuais da criança e o conseqüente medo da punição. A primeira defesa contra este medo é o Mecanismo de Defesa do Ego conhecido por repressão, o qual refreia os impulsos sexuais por algum tempo. À medida que as Defesas do Ego se tornam cronicamente ativas e automáticas, elas evoluem para traços ou couraça caracterológica.
Esse conceito de couraça caracterológica de Reich inclui a soma total de todas as forças defensivas repressoras organizadas de forma mais ou menos coerente dentro do próprio ego. Para ele, o desenvolvimento de um traço neurótico de caráter indicaria a solução de um problema reprimido ou, por outro lado, ele torna o processo de repressão desnecessário ou transforma a repressão numa formação relativamente rígida e aceita pelo ego.
Assim pensando, Reich afirma que os traços de caráter neuróticos não são a mesma coisa que sintomas neuróticos. A diferença entre esses traços neuróticos e os sintomas neuróticos repousa no fato de que sintomas neuróticos, tais como os medos, fobias, etc., são experienciados como estranhos ao indivíduo, como elementos exteriores à psique, enquanto que traços de caráter neuróticos (ordem excessiva ou timidez ansiosa, por exemplo) são experimentados como partes integrantes da personalidade.
A pessoa pode se queixar do fato de ser tímida, mas esta timidez não parece ser significativa ou patológica como são os sintomas neuróticos. As defesas de caráter são particularmente efetivas e, além disso, difíceis de se erradicarem pelo fato de serem bem racionalizadas pelo indivíduo e experimentadas como parte de seu auto-conceito.
Reich se esforçou continuamente para tornar seus pacientes mais conscientes de seus traços neuróticos de caráter. Ele imitava com freqüência suas características, gestos ou posturas, ou fazia com que seus pacientes repetissem ou exagerassem uma faceta habitual do comportamento, por exemplo, um sorriso nervoso. À medida que os pacientes cessavam de tomar como certa sua constituição de caráter, aumentava sua motivação para mudar.

A Couraça Muscular
Reich descobriu que cada atitude de caráter tem uma atitude física correspondente e que o caráter do indivíduo é expresso corporalmente sob a forma de rigidez muscular ou couraça muscular. Reich começou a trabalhar, então, no relaxamento da couraça muscular. Ele descobriu que a perda da couraça muscular libertava energia libidinal e auxiliava o processo de psicanálise.
O trabalho psiquiátrico de Reich lidava cada vez mais com a libertação de emoções (prazer, raiva, ansiedade) através do trabalho com o corpo. Ele descobriu que isto conduzia a uma vivência muito mais intensa do que o material infantil trabalhado pela psicanálise.Reich começou, primeiramente, com a aplicação de técnicas de análise de caráter e das atitudes físicas. Ele analisava em detalhes a postura de seus pacientes e seus hábitos físicos a fim de conscientizá-los de como reprimiam sentimentos vitais em diferentes partes do corpo. Fazia os pacientes intensificarem uma tensão particular a fim de tornarem-se mais conscientes dela e de aliviar a emoção que havia sido presa naquela parte do corpo. Ele descobriu que só depois que a emoção assim "engarrafada" fosse expressa, é que a tensão crônica poderia ser aliviada por completo. Aos poucos, Reich começou a trabalhar diretamente com suas mãos sobre os músculos tensos a fim de soltar ás emoções presas a eles.
Em seu trabalho sobre couraça muscular, Reich descobriu que tensões musculares crônicas servem ara bloquear uma das três excitações biológicas: ansiedade, raiva ou excitação sexual. Ele concluiu que a couraça física e a psicológica eram essencialmente a mesma coisa. Com esse raciocínio, as couraças de caráter eram vistas agora como equivalentes à hipertonia muscular.
O Caráter Genital
O termo Caráter Genital foi usado por Freud para indicar o último estágio do desenvolvimento psicossexual. Reich adotou-o para se referir especificamente à pessoa que adquiriu potência orgástica. Para ele a potência orgástica era a capacidade de abandonar-se, livre de quaisquer inibições, ao fluxo de energia biológica, era a capacidade de descarregar completamente a excitação sexual reprimida por meio de involuntárias e agradáveis convulsões do corpo.
Reich descobriu que assim que seus pacientes renunciavam à sua couraça e desenvolviam potência orgástica, muitas áreas de funcionamento neurótico mudavam de forma espontânea. No lugar de rígidos controles neuróticos, os indivíduos desenvolviam uma capacidade para auto-regulação. Reich descreveu indivíduos auto-reguladores como naturais, mais do que morais. Eles agem em termos de suas próprias inclinações e sentimentos internos, ao invés de seguirem algum código externo ou ordens pré-estabelecidas por outros.
Depois da terapia reichiana, muitos pacientes que antes eram neuroticamente promíscuos, desenvolviam grande ternura e sensibilidade e procuraram, de forma espontânea, relacionamentos mais duráveis e realizadores. Os(as) pacientes cujos casamentos eram estéreis e sem amor, descobriram na terapia reichiana que já não poderiam mais ter relações sexuais por um mero senso de obrigação.Os caracteres genitais não estão aprisionados em suas couraças e defesas psicológicas. Eles são capazes de se encouraçar, quando necessário, contra um ambiente hostil. Entretanto, sua couraça é feita mais ou menos conscientemente e pode ser dissolvida quando não houver mais necessidade dela.
Reich escreveu que caracteres genitais trabalharam sobre o complexo de Édipo, de maneira que o material edipiano já não é mais tão intensamente carregado ou reprimido. O superego, para ele, tornam-se "sexo-afirmativo", portanto o Id e o Superego passam a estar em harmonia. O Caráter Genital é capaz de experimentar livre e plenamente o orgasmo sexual, descarregando por completo toda libido excessiva. Dessa forma, o orgasmo, o clímax da atividade sexual, seria caracterizado pela entrega à experiência sexual e pelo movimento desinibido, involuntário, ao contrário dos movimentos forçados ou até violentos dos indivíduos encouraçados.
Bioenergia
Em seu trabalho sobre Couraça Muscular, Reich descobriu que a perda da rigidez crônica dos músculos resultava freqüentemente em sensações físicas particulares, em sentimentos de calor e frio, formigamento, coceira e uma espécie de despertar emocional. Ele concluiu que essas sensações eram devidas a movimentos de uma energia vegetativa ou biológica liberada.
Reich também descobriu que a mobilização e a descarga de bioenergia são estágios essenciais no processo de excitação sexual e orgasmo. Ele chamou a isto de Fórmula do Orgasmo, um processo de quatro partes o qual Reich julgava ser característico de todos os organismos vivos.
- Tensão Mecânica
- Carga Bioenergética
- Descarga Bioenergética
- Relaxamento MecânicoDepois do contato físico, a energia se acumula em ambos os corpos e, por fim, é descarregada no orgasmo, o qual se constitui essencialmente num fenômeno de descarga da bioenergia.
O ato sexual teria a seguinte seqüência:
1. Órgãos sexuais se entumecem de fluido - tensão mecânica
2. Resulta uma intensa excitação - carga bioenergética.
3. Excitação sexual descarregada em contrações musculares - descarga bioenergética.
4. Segue-se um relaxamento físico - relaxamento mecânico
Energia Orgônica
Aos poucos Reich estendeu seu interesse pelo funcionamento físico dos pacientes à pesquisa de laboratório em Fisiologia e Biologia e, finalmente dedicou-se à pesquisa em Física. Ele chegou a acreditar que a bioenergia no organismo individual não é nada mais do que um aspecto de uma energia universal, presente em todas as coisas. Ele derivou o termo energia "orgônica" a partir de organismo e orgasmo. Dizia que a Energia Orgônica cósmica funciona no organismo vivo como energia biológica específica. Assim sendo, governa o organismo total e se expressa nas emoções e nos movimentos puramente biofísicos dos órgãos.
A extensiva pesquisa de Reich sobre Energia Orgônica e tópicos relacionados à ela foi ignorada ou repudiada pela maioria dos cientistas. Seus achados contradizem muitos axiomas e teorias estabelecidos pela Física e Biologia, e é certo que o trabalho de Reich não deixa de ter falhas experimentais. Entretanto, sua pesquisa nunca foi rejeitada ou mesmo revista com cuidado e seriamente criticada por qualquer crítico científico respeitável.
Desde que Reich anunciou a descoberta da Energia Orgônica até hoje, nenhuma repetição bem intencionada de qualquer experimento crítico em Energia Orgônica foi divulgada, confirmando ou refutando seus resultados. Apesar do ridículo, da difamação e das tentativas de se repudiar Reich e sua orgonomia, não existe nenhuma contra-evidência de seus experimentos em qualquer publicação científica, muito menos uma refutação sistemática dos trabalhos científico que sustentam sua posição.
Segundo Reich, a Energia Orgônica teria as seguintes propriedades principais:
1. A Energia Orgônica é livre de massa; não tem inércia nem peso.
2. Está presente em qualquer parte, embora em concentrações diferentes, até mesmo num vácuo.
3. É o meio para a atividade eletromagnética e gravitacional, o substrato da maioria dos fenômenos naturais básicos.
4. A Energia Orgônica está em constante movimento e pode ser observada sob condições apropriadas.
5. Altas concentrações de Energia Orgônica atraem a Energia Orgônica de ambientes menos concentrados (o que contradiz a lei da entropia).
6. A Energia Orgônica forma unidades que se tornam o centro da atividade criativa. Estas incluem células, plantas e animais, e também nuvens, planetas, estrelas e galáxias.
* - baseado no livro "Teorias da Personalidade"- J. Fadiman, R. Frager - Harbra - 1980
Crescimento Psicológico
Reich definiu crescimento como o processo de dissolução da nossa couraça psicológica e física, tornando-nos, gradualmente, seres humanos mais livres, abertos e capazes de gozar um orgasmo pleno e satisfatório.
Reich achava que a couraça muscular está organizada em sete principais segmentos de armadura, que são compostos de músculos e órgãos com funções expressivas relacionadas. Estes segmentos formam uma série de sete anéis mais ou menos horizontais, em ângulos retos com a espinha e o torso. Os principais segmentos da couraça estão centrados nos olhos, boca, pescoço, tórax, diafragma, abdome e pelve.
De acordo com Reich, a Energia Orgônica flui naturalmente por todo o corpo, de cima a baixo, paralela à espinha. Os anéis da couraça formam-se em ângulo reto com este fluxo e operam para rompê-lo. Reich afirma que não é por acaso que na cultura ocidental aprendemos a dizer sim movendo a cabeça para cima e para baixo, na direção do fluxo de energia do corpo, enquanto que aprendemos a dizer não movendo a cabeça de um lado para o outro, na direção transversa da couraça.
A couraça serve para restringir tanto o livre fluxo de energia como a livre expressão de emoções do indivíduo. O que começa inicialmente como defesa contra sentimentos de tensão e ansiedade excessivos, torna-se uma camisa-de-força física e emocional. No organismo humano encouraçado, a Energia Orgônica é presa nos espasmos musculares crônicos.
Após a perda de um anel da couraça, o orgon do corpo não começa de imediato a correr livremente. Logo que os primeiros blocos da couraça são dissolvidos, nós descobrimos que, com os fluxos e as sensações orgônicas, a expressão do "dar" se desenvolve cada vez mais. Entretanto, couraças ainda existentes evitam seu desenvolvimento total.
A terapia reichiana consiste em dissolver cada segmento da couraça, começando pelos olhos e terminando na pelves. Cada segmento é uma unidade mais ou menos independente com a qual se precisa lidar separadamente.

Três instrumentos principais são usados para dissolver a couraça:
1. Armazenamento de energia no corpo por meio de respiração profunda;
2. Ataque direto dos músculos cronicamente tensos (por meio de pressão, beliscões e assim por diante) a fim de soltá-los;
3. Manutenção da cooperação do paciente lidando abertamente com quaisquer resistências ou restrições que emergem.
Os olhos
A couraça dos olhos é expressa por uma imobilidade da testa e uma expressão "vazia" dos olhos, que nos vêem por detrás de uma rígida máscara. A couraça é dissolvida fazendo-se com que os pacientes abram bem seus olhos, como se estivessem com medo, a fim de mobilizar as pálpebras e a testa, forçando uma expressão emocional e encorajando o movimento livre dos olhos, fazer movimentos circulares com os olhos e olhar de lado a lado.

A Boca
segmento oral inclui os músculos do queixo, garganta e a parte de trás da cabeça. O maxilar pode ser excessivamente preso ou frouxo de forma antinatural. As expressões emocionais relativas ao ato de chorar, morder com raiva, gritar, sugar e fazer caretas são todas inibidas por este segmento. A couraça pode ser solta encorajando-se o paciente a imitar o choro, a produzir sons que mobilizem os lábios, a morder e a vomitar e pelo trabalho direto com os músculos envolvidos.
O Pescoço
Este segmento inclui os músculos profundos do pescoço e também a língua. A couraça funciona principalmente para segurar a raiva ou o choro. Pressão direta sobre os músculos profundos do pescoço não é possível, portanto, gritar, berrar e vomitar são meios importantes para soltar este segmento.

O Tórax
Este segmento inclui os músculos longos do tórax, os músculos dos ombros e da omoplata, toda a caixa torácica, as mãos e os braços. Ele serve para inibir o riso, a raiva, a tristeza e o desejo. A inibição da respiração, que é um meio importante de suprimir toda emoção, ocorre em grande parte no tórax. A couraça pode ser solta através do trabalho com respiração, especialmente o desenvolvimento da expiração completa. Os braços e as mãos são dos para bater, rasgar, sufocar, triturar e entrar em contato com o desejo.

O Diafragma
Este segmento inclui o diafragma, estômago, plexo solar, vários órgãos internos e músculos ao longo das vértebras torácicas baixas. A couraça é expressa por uma curvatura da espinha para frente, de modo que há um espaço considerável entre a parte de baixo das costas do paciente e o colchão. É muito mais difícil expirar do que inspirar. A couraça inibe principalmente a raiva extremada. Os quatro primeiros segmentos devem estar mais ou menos livres antes que o diafragma possa ser solto através do trabalho repetido com respiração e reflexo do vômito (pessoas com bloqueio intenso neste segmento acham virtualmente impossível vomitar).

O Abdomen
O segmento abdominal inclui os músculos abdominais longos e os músculos das costas. Tensão nos músculos lombares está ligada ao medo de ataque. A couraça nos flancos de uma pessoa produz instabilidade e relaciona-se com a inibição do rancor. A dissolução da couraça, neste segmento, é relativamente simples, desde que os segmentos mais altos estejam abertos.

A Pelve
Este segmento contém todos os músculos da pelve e membros inferiores. Quanto mais intensa a couraça, mais a pelve é puxada para trás e saliente nesta parte. Os músculos glúteos são tesos e doloridos, a pelve é rígida, "morta" e assexual. A couraça pélvica serve para inibir a ansiedade e a raiva, bem como o prazer.
A ansiedade e a raiva resultam das inibições das sensações de prazer sexual, e é impossível experienciar livremente o prazer nesta área até que a raiva tenha sido liberada dos músculos pélvicos. A couraça pode ser solta primeiramente mobilizando a pelve e fazendo com que o paciente chute os pés repetidas vezes e também bata no colchão com sua pelve.
Reich descobriu que à medida que seus pacientes começavam a desenvolver capacidade para plena entrega genital, toda sua existência e estilo de vida mudavam basicamente. Achava Reich que a unificação do reflexo do orgasmo também restaurava as sensações de profundidade e seriedade. Os pacientes lembram-se do tempo da sua primeira infância, quando a unidade de suas sensações corporais não estava perturbada.
Tomados de emoção, falam do tempo em que, crianças, sentiam-se identificados com a natureza e com tudo que os rodeava, do tempo em que se sentiam "vivos" e como finalmente tudo isto fora despedaçado e esmagado pela educação.
Estes indivíduos começavam a sentir que a rígida moralidade da sociedade, que anteriormente reconheciam como certa, era uma coisa estranha e antinatural. Atitudes em relação ao trabalho também mudavam de forma nítida.
Aqueles que faziam seu trabalho como uma necessidade mecânica, via de regra largavam seus empregos para procurar um trabalho novo e vital que preenchesse suas necessidades e desejos interiores. Aqueles que já estavam interessados em sua profissão, muitas vezes desabrochavam com energia, interesses e habilidades novas.

Obstáculos ao Crescimento Couraça
A Couraça é o maior obstáculo ao crescimento segundo Reich. O indivíduo encouraçado seria incapaz de dissolver sua couraça e, portanto, seria incapaz de expressar as emoções biológicas primitivas. Ele conhece a sensação de agrado mas não aquela de prazer orgônico. Ele não pode emitir um suspiro de prazer e, se tentar, irá produzir um gemido, um berro reprimido ou um impulso para vomitar. Ele é incapaz de deixar sair um grito de raiva ou imitar um punho atingindo o colchão com raiva.
Reich sentiu que o processo de encouraçamento havia criado duas tradições intelectuais distorcidas, as quais formaram a base da civilização: a religião mística e a ciência mecanicista. Os mecanicistas são tão bem encouraçados que não têm idéia real de seus próprios processos de vida ou de sua natureza interna. Eles têm um medo básico de emoções profundas, vivacidade e espontaneidade. Eles tendem a desenvolver um conceito rígido e mecânico da natureza e estão primariamente interessados nos objetos externos e nas ciências naturais.

Comentando sua idéia, achava que pelo fato de uma máquina ter que ser perfeita, por conseguinte, o pensamento e as ações do homem da ciência também teriam que ser perfeitos. Perfeccionismo é uma característica essencial do pensamento mecanicista. Ele não tolera erros e incertezas, e as situações de mudança são inoportunas. Mas este princípio, quando aplicado a processos da natureza, inevitavelmente conduz à confusão, pois a natureza não opera mecanicamente, mas funcionalmente.
Os místicos não desenvolveram sua couraça tão completamente. Eles permanecem, em parte, em contato com sua própria energia vital, e são capazes de grande compreensão interna (insight) por causa deste contato parcial com sua intimidade. Entretanto, Reich via essa compreensão interna (insight) como distorcida, uma vez que os místicos tendem a se tornar ascéticos e anti-sexuais, a rejeitar sua própria natureza física e a perder o contato com seus corpos. Eles repudiam a origem da força vital em seus próprios corpos e localizam-na numa alma hipotética, que eles sentem ter apenas uma tênue conexão com o corpo.
Sobre os místicos, achava Reich que no rompimento da unidade de sentimento do corpo pela supressão sexual e no contínuo anseio de restabelecer contato consigo mesmo e com o mundo, encontra-se a raiz de todas as religiões negadoras do sexo. Deus seria a idéia mistificada da harmonia vegetativa entre o eu e a natureza.

Repressão Sexual
Outro obstáculo ao crescimento é a repressão social e cultural dos instintos naturais e da sexualidade do indivíduo. Reich sentia que esta era a maior fonte de neuroses e que ela ocorre durante as três principais fases da vida, ou seja, durante a primeira infância, puberdade e idade adulta.
Os bebês e as crianças pequenas são confrontados com uma atmosfera familiar neurótica, autoritária e repressora do ponto de vista sexual. Em relação a este período de vida, Reich basicamente reafirma as observações de Freud a respeito dos efeitos negativos das exigências dos pais, relativas ao treinamento da toalete, às auto-restrições e ao bom comportamento por parte das crianças pequenas.
Durante a puberdade, os jovens são impedidos de atingir uma vida sexual real e a masturbação é proibida. Talvez até mais importantes que isto, a sociedade em geral torna impossível, aos adolescentes, lograr uma vida de trabalho significativa. Por causa deste estilo de vida antinatural, torna-se especialmente difícil aos adolescentes ultrapassar sua ligação infantil com os pais.
Por fim, na idade adulta, a maioria das pessoas se vê envolvida na armadilha de um casamento compulsivo, para o qual estão sexualmente despreparadas. Reich também salienta que os casamentos desmoronam em conseqüência das discrepâncias sempre intensificadas entre as necessidades sexuais e as condições econômicas. As necessidades sexuais podem ser satisfeitas com um e o mesmo companheiro durante algum tempo. Também o vínculo econômico, a exigência moralista e o hábito humano favorecem a permanência da relação matrimonial. Isso acaba resultando na infelicidade do casamento. A situação familiar que se desenvolve segue de forma a recriar a mesma atmosfera neurótica para a próxima geração de crianças.

Reich sentia que indivíduos criados numa atmosfera que nega a vida e o sexo desenvolvem um medo do prazer, o qual é representado por sua Couraça Muscular. Essa Couraça do Caráter é a base do isolamento, da indigência, do desejo de autoridade, do medo da responsabilidade, do anseio místico, da miséria sexual e da revolta neurótica, assim como de uma condescendência patológica.
Reich não era otimista demais no que dizia respeito aos possíveis efeitos de suas descobertas. Ele acreditava que a maioria das pessoas, por causa de sua intensa couraça, seria incapaz de compreender suas teorias e distorceria suas idéias. Para ele, um ensino sobre a vida, dirigido e distorcido por indivíduos encouraçados, irá acarretar um desastre final a toda a humanidade e às suas instituições. O resultado mais provável do princípio da potência orgástica será uma perniciosa filosofia de bolso, espalhada por todos os cantos. Tal como uma flexa que, ao desprender-se do arco, salta firmemente retesada, a procura de um prazer genital rápido, fácil e deletério devastará a comunidade humana.
A couraça serve para nos desligar de nossa natureza interna e também da miséria social que nos circunda. Natureza e cultura, instinto e moralidade, sexualidade e realização são elementos que se tornam incompatíveis. A unidade e congruência de cultura e natureza, trabalho e amor, moralidade e sexualidade, unidade esta desejada desde tempos imemoriais, continuará a ser um sonho enquanto o homem continuar a condenar a exigência biológica de satisfação sexual natural (orgástica). A democracia verdadeira e a liberdade baseadas na consciência e responsabilidade estão também condenadas a permanecer como uma ilusão até que esta evidência seja satisfeita.

Corpo
Reich, como a grande maioria dos autores modernos, via mente e corpo como uma só unidade. Aos poucos ele passou de um trabalho analítico, baseado apenas na linguagem, para a análise dos aspectos físico e psicológico do caráter e da couraça caracterológica, dando maior ênfase no trabalho com a Couraça Muscular e no desenvolvimento de um livre fluxo de bioenergia.

Relacionamento SocialReich via o relacionamento social como função do caráter do indivíduo. O indivíduo médio vê o mundo através do filtro de sua couraça. Caracteres genitais, tendo ultrapassado seu encouraçamento rígido, são os únicos verdadeiramente capazes de reagir de forma aberta e honesta aos outros.
Reich acreditava firmemente nos ideais comunistas enunciados por Marx, aclamando a livre organização na qual o livre desenvolvimento de cada um se tornaria a base do livre desenvolvimento de todos. Reich formulou o conceito de democracia do trabalho, uma forma natural de organização social na qual as pessoas cooperam harmonicamente para favorecer suas necessidades e interesses mútuos, e tentou efetivar esses princípios no Instituto Orgon.
Vontade
Reich não se interessou diretamente pela vontade, embora tenha enfatizado a importância de um trabalho significativo e construtivo. Um de seus princípios era de que "você não precisa fazer nada de especial ou novo.
Tudo o que você precisa fazer é continuar o que tem feito: lavrar seu campo, manejar seu martelo, examinar seus pacientes, levar suas crianças à escola ou ao parque de diversões, falar sobre os fatos do dia, penetrar sempre mais profundamente nos segredos da natureza. Todas essas coisas você já faz. Mas você pensa que nenhuma delas tem importância... Tudo o que você tem a fazer é continuar o que você sempre fez e sempre quis fazer: seu trabalho, deixar suas crianças crescerem felizes, amar a mulher".

Emoções
Reich descobriu que as tensões crônicas servem para bloquear o fluxo de energia subjacente às emoções mais intensas. A couraça impede que o indivíduo experimente emoções fortes e, portanto, limita e distorce a expressão de sentimentos. As emoções deste modo bloqueadas não são eliminadas, pois jamais podem ser completamente expressas. Segundo Reich, um indivíduo só se liberta de uma emoção bloqueada experienciando-a de forma plena.

Reich notou também que a frustração do prazer, muitas vezes conduz à raiva e à fúria. Na terapia reichiana, em primeiro lugar é preciso lidar com as emoções negativas, para que os sentimentos positivos que elas encobrem possam ser completamente experienciados.

Intelecto
Reich se opunha a qualquer separação de intelecto, emoções e corpo. Ele afirmava que o intelecto é, na verdade, uma função biológica, e que ele pode ter uma carga afetiva tão forte quanto qualquer emoção. Reich argumentava que o desenvolvimento completo do intelecto requer o desenvolvimento de uma verdadeira genitalidade. A primazia do intelecto pressupõe uma disciplinada economia de libido, isto é, primazia genital. A primazia intelectual e genital têm a mesma relação mútua que êxtase sexual e neurose, sentimento de culpa e religião, histeria e superstição.
Acreditava Reich que, via de regra, o intelecto opera como mecanismo de defesa, de tal forma que a linguagem falada muitas vezes funciona também como uma defesa. Ela obscurece a linguagem expressiva do núcleo biológico. Em muitos casos, isto vai tão longe que as palavras já não expressam nada e a linguagem falada já não é nada mais do que uma atividade sem sentido dos respectivos músculos.

Self
Para Reich, o Self é o núcleo biológico saudável de cada indivíduo. A maioria das pessoas não está em contato com o Self por causa da couraça física e das defesas psicológicas. Indagava Reich: "- O que é que impedia uma pessoa de perceber sua própria personalidade (Self)? Afinal, a personalidade (himself) é o que a pessoa é. Gradualmente comecei a entender que é o ser total que constitui a massa compacta e obstinada que obstrui todos os esforços da análise. A personalidade inteira do paciente, o seu caráter, a sua individualidade resistiam à análise".
Segundo Reich, a interação de impulsos reprimidos e forças defensivas repressoras cria uma terceira camada entre as duas correntes libidinais opostas: uma camada de falta de contato. Esta falta de contato não está interposta entre as duas forças. É antes, uma expressão da interação concentrada das duas.O contato requer um livre movimento de energia. Ele só se torna possível quando o indivíduo dissolve sua couraça e torna-se plenamente consciente do corpo e de suas sensações e necessidades, entrando em contato com o núcleo, os impulsos primários. Enquanto há a presença de bloqueios, o fluxo de energia e a consciência são restritos, e a autopercepção é bastante diminuída e distorcida.

Terapeuta
Além de treino na técnica terapêutica, o terapeuta deve ter feito um progresso considerável em seu crescimento e desenvolvimento pessoais. Ao trabalhar tanto psicológica quanto fisicamente com um indivíduo, o terapeuta deve ter superado todos os medos de sons sexuais abertamente emitidos e do "ondular orgástico", livre movimento de energia no corpo.
Baker, um dos principais terapeutas reichianos nos Estados Unidos, recomenda que nenhum terapeuta deveria tentar tratar pacientes que tenham problemas que ele não foi capaz de solucionar em si mesmo, e nem deveria esperar que um paciente faça coisas que ele não pode fazer e que não foi capaz de fazer. Outro reichiano eminente escreveu que o pré-requisito indispensável em qualquer método usado pelo terapeuta para libertar as emoções contidas na musculatura é que ele esteja em contato com suas próprias sensações e que seja capaz de empatizar completamente com o paciente e de sentir em seu próprio corpo o efeito das constrições particulares da energia do paciente.
Reich era ele próprio considerado um terapeuta brilhante e teimoso. Mesmo sendo um analista ortodoxo, ele era extremamente honesto e até brutalmente direto com seus pacientes. Nic Waal, um dos melhores psiquiatras da Noruega, escreveu o seguinte a respeito de suas experiências em terapia com Reich:"- Eu era capaz de suportar ser subjugado por Reich porque eu gostava da verdade. E, coisa bastante estranha, eu não era subjugado por isto. No decorrer de toda esta atitude terapêutica em relação a mim, sua voz era amorosa e ele sentava-se a meu lado e fazia-me olhar para ele. Reich me aceitava e subjugava apenas minha vaidade e minha falsidade. Mas eu entendi, naquele momento, que a honestidade e o amor verdadeiros, tanto de um terapeuta quanto dos pais, por vezes é a coragem de ser aparentemente cruel sempre que necessário. Entretanto, isto exige muito do terapeuta, de seu treinamento e de seu diagnóstico."

"Teorias da Personalidade"- J. Fadiman, R. Frager - Harbra - 1980

Livro:
O Assassinato de Cristo




terça-feira, 12 de maio de 2009

LIVROS: OSHO-RAJNEESH

Livro:
Conciência

http://www.4shared.com/get/70840535/1f60ca66/osho_-_Consciencia.html;jsessionid=6C755FCC2B2BDFBACAFEE815CA8CC87D.dc138

Subjacente a todas as técnicas de meditação está a capacidade de estar desperto e atento a cada momento – aquilo a que Osho chama consciência.

Se soubermos identificar e compreender esta capacidade, encontraremos a chave para a mestria de todos os aspectos da vida.

Todos os grandes mestres espirituais, como Buda e Lao-Tse, afirmam que a maior parte dos homens vive numa espécie de sonambulismo, sem prestarem atenção ao que fazem, sem terem consciência do que os rodeia e sem conhecerem as suas motivações mais profundas.

A consciência, segundo Osho, é a chave para alcançar a liberdade. Neste livro, ele ensina a dinamizar a consciência para viver de forma mais atenta e cuidadosa, fazendo de cada momento uma iluminação.

...................................................................................
Livro:
Faça o Seu Coração Vibrar

http://www.4shared.com/get/3703087/430da547/osho_-_faa_o_seu_corao_vibrar__doc___rev_.html

Esta é uma coletânea de pensamentos que nos incentiva a ver o mundo por um ângulo diferente, oferecendo novos e surpreendentes sentidos para alguns dos temas que fazem parte do nosso dia-a-dia, como amor, relacionamentos, inteligência, poder, fé, trabalho e realização.

..............................................................................
Audio Book:
Guru do Sexo ( dublado)

http://www.4shared.com/get/104970571/9c737922/OSHO_-_17_-_GURU_DO_SEXO_-_dublado.html

Palestra do Osho, tradução com sobreposição de voz, duração aproximada de 30 minutos. Esta é uma palestra proferida na chamada Poona I, isto é, na cidade de Poona antes de ele ir aos Estados Unidos, em 1981

“..o que aconteceu comigo pode acontecer com você, pois esse também é o seu direito nato...”

Nesta palestra, Osho está no auge de seu “espírito demolidor”, “chacoalhando” não o Cristo, mas nossas crenças em relação a ele.

................................................................................
Audio Book:
Céu ou Inferno? A Escolha é Sua (dublado)

http://www.4shared.com/get/104983850/417f805a/OSHO_-_12_-_CU_OU_INFERNO-_A_ESCOLHA__SUA_-_dublado.html

Palestra do Osho, tradução com sobreposição de voz, duração aproximada de 28 minutos

“...comece a coletar tudo de belo que acontecer com você...”

Entre outras colocações, Osho nos fala que a tendência da mente é coletar e se recordar de episódios desagradáveis em nossas vidas, esquecendo-se dos belos e agradáveis. Fala-nos também que é possível mudarmos esse hábito da mente, e que, a partir dessa mudança, novas e saudáveis dimensões se abrem para nós.

..............................................................................
Livro:
Aqui e Agora Sobre a Morte o Morrer e as Vidas Anteriores

http://www.4shared.com/get/104984478/e95fab37/Osho_-_Aqui_e_Agora_-_Sobre_a_Morte_o_morrer_e_as_Vidas_anteriores.html;jsessionid=6AE361C9E991DCC3EA54F01C2DA949F5.dc113

................................................................................

Audio Boock:

Sem Repressão Sem Pornografia (dublado)

http://www.4shared.com/get/105032791/df85b4f5/OSHO_-_9_SEM_REPRESSO_SEM_PORNOGRAFIA_-_dublado.html

Palestra do Osho, tradução com sobreposição de voz, duração aproximada de 28 minutos.

“...meu esforço tem sido o de como tornar o seu sexo um fenômeno natural e aceito...”

Entre outras colocações, neste vídeo Osho nos fala que o caminho para transcendermos a sexualidade não passa por sua repressão, a qual gera apenas perversão. Fala-nos também que o sexo, através da ciência do Tantra, pode ser o primeiro degrau rumo à supraconsciência e que, mais cedo ou mais tarde, essa ciência deverá ser aceita em todo o mundo.

segunda-feira, 11 de maio de 2009

NOTAS DE UM DEVOTO CAMINHANTE

Prashanto

"Conheci Osho (Rajneesh) em agosto de 1978, sem jamais ter ouvido falar dele. Fui a Puna apenas para cursar um "conselor training" na 'Rajneesh International Meditation University'. Depois descobri que não havia nenhuma 'universidade', mas já era tarde. No dia 12/10/78 recebi das mãos dele o meu mala e o nome. Essa história eu conto no prefácio do livro 'Meu Caminho: O Caminho das Nuvens Brancas' da Icone Editora. Da Índia, fui para o México onde fiquei até 1981.
Ao voltar ao Brasil, passei p or Brasília onde dei o meu primeiro grupo fora do Rio. Muitos 'velhos' saniasins do DF fizeram esse grupo. Em 1982 fui pela primeira vez a Rajneeshpuran, Oregon, USA. De lá voltei com autorização para abrir um centro de meditação, o Prashtan.Comprei então, junto com outro saniasin, uma casa no bairro de Santa Teresa, no Rio, bem em frente à que eu morava. Esse centro durou uns 3 anos.

No ano de 1984, começamos a editar o 'Rajneesh News', sob a direção do Satyaprem, mas, por imposição da 'gang' da Sheela, fomos obrigados a fechá-lo.

Entre 1982 e 1995, circulei por quase todas as capitais brasileiras, dando conferências, entrevistas em jornais , rádios e TVs. Passei vários anos coordenando grupos em 3 continentes: América do Sul (Brasil e Uruguai) e Central (Costa Rica), Europa (Espanha) e Israel, sempre voltando a Puna onde ficava um tempo descansando.

Desde meados de 2002, comecei a realizar os encontros das 'Escolas de Mistérios'
..............................................................................


Dia 20 de janeiro 1990.
Bem cedo. Puna, India. Estou de pé, perto da entrada do ashram. Comigo centenas de outros saniasins. Todos trazemos pétalas de rosa nas mãos para jogarmos sobre as cinzas do mestre que logo virão dentro de um jarro nas mãos de seu irmão.
Uma profunda tristeza, acompanhada de terrível frustração.

Pensava:”Cara! O mestre passou pelo planeta, você ficou quase sete anos perto dele, agora ele se foi e você nada! Perdeu a chance!”
Bem próximo a mim, quase em frente, uma gralha estava pousada num enorme “fícus”, bem lá em cima.

De repente, ela saiu voando e derrubou um galho seco que caiu no chão com grande estrépito...

Pá!
Tudo mudou!

Subitamente lembrei-me o que Osho dissera :”fora do corpo será mais fácil pra mim estar junto de cada um...”

O mestre zen havia usado o cacete ...

Depois deste dia fui me transformando de discípulo em devoto.

Explico:
O discípulo está conectado com o mestre pela mente. Ele admira os textos, ama a imagem dele, a presença física; há sempre uma razão para justificar seu discipulado. O devoto está no coração. Não precisa de razões para ter um mestre, não precisa ler seus livros, nem fotos, nem nada! O devoto sente o mestre em todo lugar, enviando sinais de que está pertinho...

O devoto vive no mistério, cercado de sinais. Uma folha cai, um pássaro voa, algo não previsto ocorre...Tudo faz parte desta infinita rede que é a presença misteriosa do mestre. Dos mestres, melhor dizendo pois todos são um só...

Champak pediu-me um depoimento sobre o meu dia a dia como saniasin.
Estou por aí fluindo em meio a alguns sinais que, para mim, podem ser brincadeiras do mestre, ou de minha mente, quem sabe? Isto não me importa. Estou curtindo adoidado!
Não pratico nenhuma técnica de meditação, quase não leio livros, nem os de Osho!
Vou à praia, leio o jornal, faço minha comida, meus chás, viajo pela internet, saio para as compras no supermercado, vejo a tv...Namoro!

Durmo, acordo, cago, mijo, todas essas coisas necessárias ao bom metabolismo corporal...
Lembro: no fim da década de 80, por razões que não interessam agora, Osho sugeriu que eu encontrasse a Kaveesha, então diretora da Escola de Mistérios no ashram. Ela levou-me ao seu quarto, apanhou um “caco” de cristal de quartzo (presente de Osho, disse orgulhosa) e passou-o várias vezes ao meu redor. No final disse: ”agora você pertence à Escola de Mistérios”

Naquele momento, e por alguns anos, eu não entendi o que tudo aquilo significava.
Mas seguramente “o mistério” ficou plantado dentro de mim.
A partir 1995 comecei a "ler" os sinais que a vida me enviava e, pouco a pouco, deixei de coordenar grupos de terapia. Entre 2000 e 2001 fiquei esperando algum sinal para iniciar a Escola de Mistérios que estava, havia muito, na minha agenda. Finalmente ele veio (depois eu conto como...) e agora ela existe em quatro cidades: Juiz de Fora, Rio, São Paulo e Vitória. Quando começamos ninguém sabia o que era ou o que seria! Mas como devoto eu sabia que tudo seria revelado nos momentos oportunos.

E, sem fazer nada, absolutamente nada, as coisas estão acontecendo!
...............................................................................

Notas de Um Devoto Caminhante (1-2007)

Osho deixou alguma mensagem aos posteros?

Lendo e ouvindo os seus inúmeros discursos é fácil descobrir varias.

Eu mesmo pesquei muitas através destes meus tempos.

Agora, após participar de inúmeras polemicas sobre este inescrutável Buda, cheguei a uma nova conclusão:

Não há mensagem nenhuma!

Porque há milhares!

O seu caminho é o das nuvens brancas como ele mesmo chamou. Sem caminho,destino...que desaparecem aqui,ressurgem acolá...

São sempre nuvens brancas (ou negras,) ,mas diferentes e cambiantes....

Há uma: ”I live you my dream”. (deixo-lhes meu sonho).todavia esta frase não foi dita para ser a ultima nem um preceito religioso.

Foram os autores do filme sobre sua morte que a ressaltaram, parecendo uma mensagem final.

Não é mensagem nem final!

Um sonho não pode ser transformado em meta, tarefa (!)...

Um sonho só vale se for para ser vivido individualmente!

Qual é o sonho de osho?

O SEU!

Ser feliz, celebrar cada instante, viver intensamente o aqui-agora!

E vivendo intensamente o momento não há tempo para cruzadas, cobranças sobre as mensagens de osho.

“who cares?” ((quem se importa?). ele dizia, às vezes, em resposta às criticas que lhe faziam.

“Acenda a vela pelos dois lados!”
..................................................................................

Relembrando...

Shalom!sobre este reliquia (a pedidos...)

É do tempo do chamado puna 1(antes de 1980).

Tudo era muito simples:chao de cimento,teto de zinco,colunas de troncos de arvores envoltos em um pano.até a roupa dele é apenas um camisolao,à la indu...

A pessoa que lhe entrega o texto é Laxmi, sua secretaria, que foi a sua primeira discipula (ela desconfiou que o acharya rajneesh tinha "algo" diferente...)

Assim que ele entra aparece uma figura com um gorro, no fundo, era seu "guarda-costas..." que mais tarde escreveu um livro contra osho.

A plateia, pode-se notar, é de gente ,em sua maioria,gente simples.muita gente egressa do fracassado movimento "hippie"-profissinais liberais, traficantes, putas, viciados, terapeutas etc.

Note-se a maneira como ele pronuncia as palavras, às vezes prolongando a ultima sílaba. para mim isto se devia a que ele "ouvia" o que ia falar, como ele mesmo declarou mais tarde.

Passei, neste periodo do puna 1, um ano (de 1978 a 1979). só muitos anos mais tarde me dei conta da intensidade do que vivi lá!
.....................................................................................
Primeiras semanas em pune-1978o

Primeiro trabalho que fiz foi o "centering" baseado e técnicas de Gurdjieff.

Logo atestei o quanto minha atenção estava dispersa-uns exercícios estranhos tais como girar a mão esquerda numa direção e a direita noutra... um apos outro os exercícios deram-me uma triste visão da minha condição.

Não conseguia fazer nada!

Mais tarde lá fui eu pro "zazen”.

Três dias sentado num banquinho baixo, com os pés colocados debaixo, coluna ereta, olhando a parede, sem piscar! Logo a coluna começou a doer, as pernas ficaram dormentes etc. etc.

Sentado um tempo, outro caminhando. assim o dia todo. Comida frugal. Em silencio sem poder falar com ninguém a não ser com os coordenadores. compreendi logo que era um truque para parar a mente através da imobilização dos olhos (ultimo reduto corporal da mente).

Resolvi, então, imaginar que das minhas pupilas saiam dois fios paralelos que iam até o infinito. Isto tinha dois objetivos: relaxar os olhos (já que se olhando o infinito a pupila relaxa) e parar o incessante mover dos olhos.

foi duro!

Lagrimas corriam pela face e as incontornáveis dores no corpo. o retiro levaria três dias. No final do segundo dia tive uma experiência extraordinária!

A parede desapareceu!

Uma tela esbranquiçada ficou na minha frente, mantive-me firme olhando a tela vazia, de repente, vi projetada na tela minha boca que começou a se mover em movimentos agressivos, raivosos, porem em câmara lenta...

Como terapeuta reichiano que era logo compreendi que estava ocorrendo um estranho tipo de catarse. sem gritos, espasmos...

Minha boca estava liberando aquela raiva que todos têm e que , às vezes, sai em ímpetos de matar à dentadas, ou fazer fofocas etc. Não levou muito tempo, mas foi o suficiente para que compreendesse o poder daquela meditação na eliminação de emoções reprimidas, você apenas testemunhando em silencio.

no dia seguinte, excitado voltei pra continuar o experimento; desta vez iria tentar trabalhar as tensões nos olhos que, para mim, eram a causa de minha miopia desde garoto. Todavia, não tive tempo, pois logo o retiro acabou.

Acho que fui o único a ficar frustado com o termino dele!


shalom!


Somente muitos anos depois pude compreender o significado terapêutico dessa pequena (?) experiência; alias ocorreu o mesmo com quase todas as que tive lá entre 1978/1979.A tela em branco era o resultado da mente vazia, quieta. Na realidade a mente não “estava” quieta-ela “não estava”...

O mais surpreendente é que na ausência da mente, pude “ver” um bloqueio da minha couraça muscular sendo desmanchado naturalmente!Sem a mente pude me transformar na “testemunha” indiferente.

O zazen é considerado uma meditação “passiva”, como a vipassana. Na realidade não é uma meditação totalmente passiva. ela é “passiva” externamente,mas internamente não o é já que ativa as energias internas bloqueadas.

Qual a diferença?As meditações “ativas” mobilizam o corpo voluntariamente buscando desativar as forças bloqueadoras internas. Porem, mesmo nestas há um momento em que a passividade tem seu lugar. em quase todas as meditações “ativas” de osho há uma “etapa” de passividade,em geral com os corpos tentando relaxar deitados no chão.

No zazen e outras semelhantes, ataca-se diretamente aquilo que mantém bloqueada a energia-a mente.Sem a mente a energia recupera seu estado natural que é “mover-se”.

Sob este aspecto a Meditação é a terapia mais sofisticada que há.

Surgiu-me agora a pergunta: “por que, então, poucas pessoas têm essa experiência ao praticar as meditações”?
Primeiro, porque não conseguem relaxar totalmente. É claro que o esforço realizado nas meditações ativas tem sua origem na vontade, na mente!

Mesmo com o corpo cansado após muitas descargas energéticas, a mente continua ativa. Pode diminuir seu controle, mas no fundo, lá está ela... e enquanto houver uma mente “ativa” não há relaxamento.

Segundo, e principal, é necessário que se esteja dentro de um campo budico (ou seja, um campo vazio...) forte para que a memória do “vazio” do nosso próprio campo seja recuperada.

(Sheldrake chamou isto de “ressonancia mórfica”).

Em Pune havia o campo de Osho.

............................................................................
Notas de um caminhante (08/02/07)

Aquela experiência no retiro de Zazan, logo no inicio de minha estada em Pune,em 1978, ficou adormecida por décadas em meu inconsciente. eu havia compreendido, na hora, o seu significado terapêutico, mas não tinha amadurecido para desenvolve-la no trabalho pratico como terapeuta. E durante anos a fio fui um terapeuta, cada vez menos reichiano e mais meditativo. W.Reich continua uma referencia, porem apenas como um tempero nesta complexa culinária que é a busca do autoconhecimento.

Em síntese, todo terapeuta honesto busca trazer o cliente para um estado de bem estar e auto-aceitaçao.

Quando cheguei a Pune, em 1978, minhas metas terapêuticas eram, segundo Reich, tornar o ego mais “poroso”, permeável, aos estímulos externos e internos. o equilíbrio entre estas duas forças representa a saúde.ou seja ,a terapia buscava um “ego saudável”.

Chegando a Pune cai do cavalo ao saber que a proposta de osho é acabar com o ego!o ego é a doença!Isto é inimaginável para a terapia ocidental!Quando voltei ao Brasil fui a um programa de TV, chamado “TV mulher”. se não me engano dirigido por Marilia Gabriela, mas no meu dia fui entrevistado por Cristiane Torloni que conhecia algo de psicanálise.

depois de explicar que a meditação buscava dissolver completamente o ego,ela,meio surpresa, perguntou ”e o que bota no lugar?”respondi:”nada.” até o Clodovil que estava ali perto assistindo ficou perplexo...Trata-se de retirar a mente de sua atual posição ditatorial em nossas vidas e coloca-la em segundo plano, quietinha na garagem quando não precisamos “viajar”... (aqui vale um pequeno esclarecimento: não se trata de “destruir a mente”, mas cala-la,silencia-la,parar o seu incessante fluxo de pensamentos até o instante em que se necessita dela).

Com Osho aprendi que a mente é necessária na vida social, mas o ego é completamente desnecessário. ambos formam uma parceria- mente –ego.

Na realidade o ego é apenas uma defesa do sistema vivo que nós somos. a mente é simplesmente, uma das múltiplas funções do cérebro, especifica do Homo Sapiens”. uma função que se aprende ao longo dos primeiros anos de nossa vida. ninguém nasce sabendo pensar, como também não nasce sabendo andar, falar. é uma habilidade inata que precisa ser desenvolvida por uns anos.Todavia a mente vai se formando junto com o ego.

logo ela toma o poder e cria-se uma coalizão:ambos se sustentam. O ego suste-se naquilo que Reich chamou de couraça muscular do caráter. está no corpo, nas entranhas,vísceras,fibras,nervos...

E a mente suste-se no seu incessante e incontrolável fluxo de pensamentos, na maioria dos casos repetitivos. As terapias corporais modernas procuram “amaciar” a couraça muscular usando varias estratégias: exercícios, massagens, buscando provocar descargas energéticas (emocionais) que estão aprisionadas no corpo.

Descobri recentemente que existem fibras musculares tão profundas que ninguém nem nenhum exercício pode atingir. mesmo porque quem vai comandar os exercícios senão a própria mente?Em qualquer movimento voluntário ela está no comando. e, claro!, ela não vai deixar que lhe tirem este comando. tirar o comando da mente pode significar loucura....

E quem nunca experimentou isso (a mente perdendo o controle, ficar doido...) jamais poderá levar alguém a este estado! Dentro dele (a) há um enorme cagaço de chegar mesmo perto... é comum ver “terapeutas” interrompendo o processo do cliente.

eu mesmo fiz isto muitas vezes.como se diz vulgarmente:”quem cú tem medo.”diante disso tudo é relativamente simples.... silenciar a mente é a única forma terapêutica real. É ai que a porca torce o rabo... . A meditação, terapia milenar que surgiu no oriente, é o caminho.

..............................................................................

domingo, 10 de maio de 2009

LIVROS: KRISHNAMURTI

Livro:
Aos Pés do Mestre

São palavras do famoso ocultista e teósofo C. W. Leadbeater, o "descobridor" e primeiro instrutor de Krishnamurti:

"Aos Pés do Mestre é um dos livros cuja finalidade especial é ajudar as pessoas que se propõem a seguir a Senda. No momento, é o de maior valia para nós, por sua extrema simplicidade e porque, de maneira muito especial, leva o selo da aprovação do Instrutor do Mundo cujo advento está próximo."

De tão alta opinião não participa apenas o insigne ocultista e escritor, pois este livrinho, originalmente editado em 1908/1909, foi desde logo traduzido e publicado em mais de quarenta línguas, inclusive o Esperanto e o método Braille. Suas reedições não pararam até hoje, e sua circulação se emparelha com a das obras mais universalmente aceitas, como a Bíblia, por exemplo. Milhões e milhões de pessoas de todas as idades e raças se têm beneficiado de suas instruções, e o seu notável autor, então com apenas treze anos de idade, é tido hoje como um dos mais profundos, mais lidos e mais ouvidos pensadores e instrutores do mundo.
Por isso, aos Pés do Mestre abre a série de três preciosos livrinhos que compõem o volume, e lhes empresta o seu significativo título. Os outos dois são: Despertai, Filhos da Luz, ensinamentos transmitidos a dois proeminentes místicos que desejaram ficar incógnitos, e O Que Devemos Ensinar, por C. Jinarajadasa.

Muitos e complexos são os problemas da vida a desafiar nossas capacidades e energias internas, e que não podem ser equacionados e resolvidos adequadamente com fórmulas específicas, uniformes e invariáveis. Eles exigem de nós acuidade mental, trato flexível, adaptabilidade, calma e fortaleza, e não uma simples, estática e empírica especialização.
....................................................................................

Livro:
Liberte-se do Passado


Este volume reúne os principais momentos de um grande número de conferencias pronunciadas por Krishnamurti na Europa e na Índia. Entre outros assuntos de relevo, são aqui tratadas questões como: a busca do Homem; a mente torturada; a armadilha da respeitabilidade; o aprender a conhecer-se; a totalidade da vida; a fragmentação do pensamento; os temores e o medo total; a dependência; a libertação; o tempo; o amor; o que e pensar; os fardos do passado; a meditação; a revolução total etc.

sábado, 9 de maio de 2009

CELEBRAÇÃO DE WESAK

FESTIVAL DE WESAK

O Festival de Wesak marca o nascimento, iluminação e morte de Gautama, o Buda e é o grande Festival de Encontro Espiritual do Oriente com o Ocidente.

Na lua cheia de Touro é realizada a celebração máxima do Budismo, o Festival de Wesak, no vale dos Himalaias, na India, em homenagem a Lord Gautama.

A palavra WESAK origina-se no Sânscrito e quer dizer MAIO.

Na realidade (maio ou wesak) em sua Lua Cheia é comemorado com um festival mundial, onde pessoas de todas as partes do planeta celebram a Vitória de Gautama.
Em cada Lua Cheia do ano, ocorre grande derramamento de Luz e de energias de Bênçãos para a humanidade. Assim sendo, ocorrem 12 ou 13 plenilúnios, com força energética especial que tem correspondência direta com o signo do zodíaco atualmente na época, porém o WESAK (MAIO) é um momento muito especial de Encontro de Anjos, Arcanjos, Mestres Espirituais, Elohins, Seres Extraterrestres Benevolentes, enfim Consciências Já Despertas e Evoluídas, jorrando Bênçãos à humanidade.
O Wesak é um momento especial pois renova nossas forças no sentido de acelerar nossa própria Iluminação e o ápice desse momento é quando a Lua Cheia de Maio surge no céu trazendo energia adicional e luminosa a cada pessoa que de puro coração se propor a renascer em si mesmo como a ave FENIX.Este sagrado Momentum favorece a avaliação de nossas imperfeições mergulhando nos registros do subconsciente para descobrir e transmutar padrões rígidos e escravizantes que ainda possuímos em Liberdade, Felicidade e Iluminação.
PODEMOS NOS SINTONIZAR COM ESSE ACONTECIMENTO ESPECIAL ATRAVÉS DE: Meditações e orações; individuais ou em grupos, ou ainda rituais apropriados: Dois dias antes e dois dias depois fazer alimentação natural e no dia, jejum ou somente frutas. No lar ou no local aonde irá se dedicar às preces, podem-se colocar flores, incensos, velas, cristais e músicas com sons da natureza ou ainda com mantras.
MEDITAÇÃO NA LUA CHEIA - POR QUE MEDITAÇÃO NA LUA CHEIA?

Porque há ciclos no fluxo e refluxo das energias espirituais, com os quais os grupos, tanto quanto os indivíduos, podem conscientemente cooperar. Um dos principais ciclos de energia coincide com as fases da Lua, alcançando seu pico, sua maré alta, durante a Lua Cheia. Este é o tempo, portanto, em que a canalização da energia, através da meditação grupal, pode ser eficaz de maneira ímpar. Hoje, centenas de grupos de serviços se reúnem mensalmente para meditar, de maneira regular, no mundo todo, por ocasião da Lua Cheia. A Lua mesma não tem nenhuma influência sobre o trabalho, mas a sua esfera, plenamente iluminada, é indicativa de um alinhamento livre e desimpedido entre nosso planeta e o Sol, o Centro Solar, a fonte de energia para toda a vida na Terra. Em tais ocasiões, estando a Lua "fora do caminho" e o contato entre o Centro Solar e o Planeta Terra alcançando seu ponto máximo, o homem pode fazer uma aproximação bem definida a Deus, o criador, o Centro da Vida e da Inteligência.

O ritmo plenilunar é usado para determinar as datas das meditações já que determina o tempo mensal em que o impacto das divinas energias de Luz, Amor e Poder é mais forte e pode ser registrado pelos grupos e irradiado dentro da consciência humana.
MAIS SOBRE O FESTIVAL DE WESAK

Lua cheia de Buda (Touro)
O que deveria ser realizado em cada lua cheia de Touro?
1. A liberação de certas energias que podem afetar poderosamente a humanidade e que, se liberadas, estimularão o espírito de amor, de fraternidade e de boa vontade na Terra. Essas energias são tão definidas e reais como são as de que se ocupa a própria ciência que as chama de raios cósmicos.
2. A fusão de todos os homens de boa vontade no mundo em um todo integrado e com capacidade de resposta.
3. A invocação e a resposta de certos Grandes Seres, Cujo trabalho pode ser, e será possível, se o primeiro destes objetivos for atingido, graças à realização do segundo objetivo. Meditem nesta síntese dos três objetivos. Por que nome estas Forças Vivas são chamadas é inteiramente imaterial. Podem ser considerados como os vice-regentes de Deus, que podem e cooperarão com o Espírito de Vida e de Amor sobre o nosso planeta, aquele no qual vivemos, nos movemos e temos nosso ser. Certos pensadores podem considerá-los como os Arcanjos do Altíssimo, cujo trabalho tem sido possível pela atividade do Cristo e do Seu corpo de discípulos, a Igreja verdadeira e viva. Outros os considerarão como os Guias da Hierarquia planetária, que se encontram por detrás de nossa evolução planetária e que raramente tomam parte ativa exterior nas atividades do mundo, deixando isso para os Mestres de Sabedoria, salvo nos casos excepcionais como o atual. Qualquer que seja o nome pelo qual os chamemos, eles estão prontos para ajudar, se o apelo for feito com força e poder suficientes por parte dos aspirantes e discípulos no momento da lua cheia de Touro e da lua cheia de Gêmeos.
4. A evocação de uma atividade enérgica e concentrada do lado interno realizada pela Hierarquia de Mestres, essas Mentes iluminadas à quais foi confiado o trabalho de direção do mundo. Deseja-se uma resposta e pode ser obtida entre os três grupos:- a. A expectante e (nesse momento) ansiosa Hierarquia – ansiosa porque nem mesmo Eles podem dizer como reagirá a humanidade, e se os homens serão suficientemente sensatos para aproveitar a oportunidade oferecida. Os Mestres aguardam, organizados sob a direção do Cristo, o Mestre dos Mestres e Instrutor de anjos e homens. Ele foi instituído como o intermediário direto entre a Terra e o Buda, Aquele que, por sua vez, é o intermediário consagrado entre a Hierarquia expectante e as forças atentas.- b. Novo Grupo de Servidores do Mundo, cujo objetivo é a paz do mundo, composto nesta época por todos os servidores sensíveis e consagrados da raça, que tem o propósito de estabelecer a boa vontade na Terra, como a base para a futura vida e expansão mundiais. Originalmente, este grupo era formado por uns poucos discípulos aceitos e aspirantes consagrados. As suas fileiras foram abertas, ultimamente, a todos os homens de boa vontade que trabalham ativamente por uma verdadeira compreensão, que estão prontos a se sacrificarem para ajudar a humanidade, que não vêem nenhuma linha de separação, mas têm, isso sim, o mesmo sentimento para com os homens de todas as raças, nacionalidades e credos. - c. As massas dos homens e mulheres que responderam às idéias que foram lançadas, e que reagiram favoravelmente aos objetivos de compreensão internacional, interdependência econômica e unidade religiosa.

À medida em que estes três grupos de pensadores e servidores se tenham contatado, quando os três grupos possam estar alinhados, ainda que momentaneamente, muito pode ser realizado; as portas da nova vida podem ser abertas para dar passagem ao influxo de novas forças espirituais. Tal é o objetivo e a idéia do Grupo.

Que importância tem para vocês, pessoalmente,esta lua cheia de Touro? Parece-lhes ter suficiente importância para realmente significar tão grandes esforços a vocês? Crêem sinceramente que neste dia pode haver realmente uma liberação de energia espiritual suficientemente potente para mudar os assuntos do mundo, desde que os filhos dos homens desempenhem sua parte? Acreditam realmente, e estão prontos na prática, a apoiar a crença de que nesse dia o Buda, em cooperação com Cristo e com a Hierarquia de Mestres Iluminados, mais a ajuda oferecida por alguns dos Tronos, Principados e Poderes da Luz, que são a correspondência superior dos poderes das trevas, estão prontos a executar os Planos de Deus, quando for dado o direito e a permissão dos homens? A principal tarefa de vocês na atualidade, não é lutar contra os poderes do mal e as forças das trevas, mas despertar o interesse e mobilizar as Forças da Luz e os recursos dos homens de boa vontade e de inclinação correta no mundo atual. Não resistir ao mal, mas organizar e mobilizar o bem e assim fortalecer as mãos dos trabalhadores que estão do lado do direito e doar amor, para que o mal tenha menos oportunidades.Se vocês tiverem fé no que lhes disse, – ainda que seja do tamanho de um grão de mostarda – se tiverem uma crença firme no trabalho do espírito de Deus e na divindade do homem, então esqueçam-se de si próprios e consagrem cada um de seus esforços, a partir do momento em que receberem esta comunicação, para a tarefa de cooperar no esforço organizado, a fim de mudar o curso dos assuntos mundiais, por meio de um acréscimo no espírito de amor e de boa vontade no mundo durante este mês.

ANTIGOS ENSINAMENTOS

Ensinamentos da Antiga Sabedoria consideram Wesak o momento mais significante do ano, quando um real evento celestial ocorre e se manifesta sobre a Terra. Considera-se que o Festival de Wesak seja um tempo em que o próprio Deus, transmitindo através de Buda e de Cristo, envia um benção para a Terra. Durante séculos tem sido celebrado na Índia e sempre ocorre na Lua Cheia de Buda. Durante esse tempo, a humanidade pode se alinhar completamente com forças espirituais que não estão à disposição em outras ocasiões do ano. A força dessa benção nos estimula espiritualmente e nos deixa mais preparados para servir completamente ao Plano Divino.
Próximo ao Nepal e rodeado pelas montanhas dos Himalaias, fica uma área de terra protegida. Um caminho, entre passagens estreitas, eventualmente se abre para um vale coberto de grama. Vários dias antes da Lua Cheia, buscadores espirituais entram no vale e aí montam tendas coloridas. Na parte norte do vale há uma grande rocha plana onde é colocada uma grande vasilha de cristal cheia de água. Logo antes da Lua Cheia, Cristo, os Senhores, os Mestres, os Arcanjos e os Iluminados que guiam o planeta Terra se reúnem ao redor dessa rocha para orar.

Poucos minutos antes do momento exato da Lua Cheia, pode se ver uma pequena luz no céu. À medida que ela se aproxima e cresce em claridade, a forma do Buda, com seu robe cor de açafrão e com as penas em posição cruzada, pode ser vista no céu.

No momento exato da Lua Cheia, Buda, suspenso sobre a rocha, estende sua mão em uma benção em direção a Cristo, que, representando a Humanidade, a recebe para distribuição. Então é pronunciada a Grande Invocação, enviando uma forte corrente de gratidão, da Humanidade para o Próprio Deus. Enquanto Buda envia sua Benção de Iluminação e Cristo envia sua Benção de Amor, a estrutura atômica e molecular da água se altera, recebendo uma infusão de Sabedoria. Ela é então distribuída em pequenas porções e levada ao mundo para ser compartilhada.

O Festival de Wesak é um momento poderoso de intenso serviço espiritual, feito da Humanidade para Deus e de Deus para a Humanidade, através de Buda e de Cristo. Durante os 8 minutos dessa celebração, o universo inteiro faz uma ligação unindo a humanidade com a Fonte da nossa criação, a que chamamos Deus. Os efeitos espirituais permanecem até o próximo Festival de Wesak.




O festival de Wesak ou de Vaisakha é o festival do Buda. É marcado pelo nascimento, iluminação e morte de Buda. Este festival é celebrado anualmente na lua cheia de maio; é o grande festival do oriente. Buda é o intermediário espiritual entre o centro onde a vontade de Deus é conhecida e a hierarquia espiritual.

O momento pleno de Wesak acontece na entrada da Lua Cheia em Escorpião, e o Sol em Touro, porém o Festival é celebrado dois ou três dias antes e dois ou três dias após o plenilúnio.Segundo o Mestre Ascensionado Djwhal Khul afirmou nos livros de Alice Bailey: :

“Wesak é o maior evento no nosso planeta e o que tem o maior efeito sobre a humanidade. Nenhum custo é tão alto para ser útil à Hierarquia Espiritual por ocasião da lua cheia do Wesak. Nenhum preço é tão caro para ganhar-se iluminação espiritual e que é possível particularmente nessa época”.

A cerimônia de Wesak é originalmente comemorada no Vale Wesak, no Himalaia, onde é honrado o nascimento, morte e iluminação de Sidartha Gautama. Atualmente simboliza a consciência de Buda e Cristo ligando o Oriente com o Ocidente na fé. Esotéricos dizem que no Wesak encontramos a chave para abrir a porta entre Shambala e a Hierarquia com energias para transformar escuridão em claridade, o irreal para o real, a morte para a imortalidade, o caos para a beleza.

O amor Divino e a Sabedoria, são as energias mais fortes para aqueles que estiverem abertos para receber. Através de Buda a Sabedoria de Deus, através de Cristo o Amor manifestado na humanidade. Um tempo para alinhar os nossos chacras e células do corpo físico. Os dias do festival podem ser usados para dar nosso amor, beleza e compaixão para a nossa família, nosso grupo e para o Mundo.

O festival de Wesak, é reconhecido por muitos como um dia de impacto espiritual supremo. Este festival não é uma celebração comemorativa mas um presente, um evento vivo, uma cerimônia sagrada que ocorre a cada ano entre Buda e o Cristo. A hierarquia espiritual une-se enquanto uma benção é derramada em nosso planeta.

Esta cerimonia marca um ponto elevado do ano espiritual e serve para vitalizar a aspiração de toda a humanidade, a evolução humana, os caminhos como uma fonte de luz e do amor, inspirando e estimulando todos os esforços que promovem a harmonia humana e planetária.
O esforço cooperativo da humanidade ao invocar as energias da luz e do amor, trabalhando junta na meditação e nas preces no festival de Wesak, a preservação de uma quietude interior, a atenção focalizada, engloba os participantes nessa força espiritual, possibilitando uma expansão da consciência mais intensa do que em qualquer outra época do ano.




OS MANTRAS DA ALMA E DA MÔNADA

O Mantra da Alma foi transmitido pelo Mestre Ascensionado Djwhal Khul para a Terra, através de Alice Bailey. É um dos mantras mais poderosos do planeta e deveria ser recitado todas as vezes em que se iniciar algum trabalho espiritual.

MANTRA DA ALMA

Eu sou a Alma,

Eu sou a Luz Divina,

Eu sou Amor,

Eu sou Vontade,

Eu sou o Desígnio Imutável.

MANTRA DA MÔNADA

Eu sou a Mônada,

Eu sou a Luz Divina,

Eu sou Amor,

Eu sou Vontade,

Eu sou o Desígnio Imutável.

Ao recitar esses mantras, estaremos ativando nosso Eu Superior e a poderosa Presença do Eu Sou (Mônada).

A GRANDE INVOCAÇÃO

Essa oração foi ofertada pelo Senhor Maitreya, o Cristo Planetário, entre 1945 e 1950. É uma das orações mais poderosas jamais entregues aos Trabalhadores da Luz e ao novo grupo dos Servidores do Mundo. Existem uma versão longa e uma versão mais curta. Essas orações foram extraídas do livro de Alice Bailey – The Externalization of the Hierarchy.

VERSAO BREVE

Do ponto de Luz na Mente de Deus

Que a Luz se irradie para a mente dos homens.

Que a Luz desça sobre a Terra.

Do ponto de Amor no Coração de Deus

Que o Amor se irradie para o coração dos homens.

Que o Cristo retorne à Terra

Do centro em que a Vontade de Deus é conhecida

Que o propósito oriente as pequenas vontades dos homens-

O propósito que os mestres conhecem e a que servem.

Do centro do que chamamos de raça dos homens

Que o Plano do Amor e da Luz se realize

E possa ele selar a porta onde o mal habita.

Que a Luz, o Amor e o Poder restabeleçam o Plano na Terra.


VERSÃO LONGA

Que as Forças de Luz tragam a iluminação à humanidade,

Que o Espírito da Paz se faça presente em toda parte,

Que os homens de boa vontade de todos os lugares possam se unir num espírito de cooperação,
Que o perdão de todos os homens

Seja a linha mestra desta época,

Que o poder atenda aos esforços dos Grandes.

Assim seja, e ajude-nos a fazer a nossa parte.

Que os Senhores da Libertação fluam,

Que tragam auxílio aos filhos dos homens

Que o Cavaleiro do Lugar Oculto apareça,

E, ao chegar, salve.

Venha ó Poderoso,

Que as

almas dos homens acordem para a Luz,

Que eles se unam na mesma intenção,

Que a ordem do Senhor possa se cumprir,

É chegado o fim do infortúnio!

Venha, ó Poderoso,

Agora chegou a hora de a Força Salvadora atuar.

Que ela possa se estender por toda a parte, ó Poderoso.

Que a Luz, o Amor, o Poder e a Morte

Possam cumprir o propósito daquele que há de vir.

A vontade de salvar está aqui,

O amor para continuar o trabalho está em todo lugar,

A ajuda ativa de todos aqueles que conhecem a verdade também está aqui,

Venha, ó Poderoso, e funda os três.

Construa uma grande muralha de proteção,

O domínio do mal tem de terminar.

Do ponto de Luz na Mente de Deus

Que a Luz se irradie para a mente dos homens.

Deixe que a luz desça sobre a terra.

Do ponto de Amor no Coração de Deus

Que o Amor se irradie para o coração dos homens.

Que o Cristo retorne à terra

Do centro em que a Vontade de Deus é conhecida

Que o propósito oriente a pequena vontade dos homens-

O propósito que os Mestres conhecem e a que servem.

Do centro do que chamamos de raça de homens

Que o Plano de Amor e de Luz se realize,

E possa ele selar a porta onde o mal habita.

Que a Luz, o Amor, e o Poder restabeleçam o Plano na terra.


FAÇA SEU RITUAL


Em qualquer momento 12 horas antes e 12 horas após a LUA CHEIA você pode se sintonizar com todas as energias dos seres espirituais ao redor do mundo que participam do Festival Wesak.

Purifique-se com um banho de ervas , meditação ou um passeio na natureza.

Ouça músicas espirituais

Faça um altar incluindo nele representações dos elementos fogo, terra , ar e água e também figuras ou imagens dos Mestres Ascensos , Buda , Cristo , Yogues ou Anjos.

Coloque flores no altar . Um quartzo rosa também é um bom elemento pois ele é um amplificador do Amor e Sabedoria , expandindo amor e beleza.

Coloque uma tigela de água em seu altar para que ela seja carregada com as vibrações de sua meditação , esta água servirá para usos futuros , aspergindo sobre pessoas e ambientes que precisam de purificação , ou mesmo ser jogada em um rio com a intenção de espalhar as energias do Wesak para todos os seres.

Faça orações, invocações de Luz , cante mantras

Finalmente , faça a seguinte visualização , sozinho ou em grupo.

Visualize-se em um lindo vale , sinta o ar fresco da montanha e sinta seus pés pisando uma grama macia... Inspire profundamente procurando se relaxar , acalmando suas emoções e sua mente...Sinta a paz neste ambiente e dentro de você...

Procure então , com os olhos fechados, se interligar com todos os Trabalhadores da Luz e sinta a presença desses seres ...participe então do chamado magnético que chega para todas Almas . Todos são chamados a reunirem-se no Amor e na Luz , criando então uma energia de paz que circunda todo o Planeta como uma rede de luz. Visualize a presença de seu Mestre, Arcanjos , e receba e transmita as poderosas energias espirituais que Eles enviam em benefício de toda a Humanidade .

Visualize essa energia em sua cabeça e no centro de seu coração. Esse nivel de luz e amor chegam em sua Alma e em sua personalidade. Sinta-se banhado de Luz .

Conclua a visualização com um grande OM...


sexta-feira, 8 de maio de 2009

CARL GUSTAV JUNG

Livro:
Um Mito Moderno Sobre Coisas Vista no Céu

O boato mundial sobre os “discos voadores” coloca um problema que desafia também um psicólogo como C. G. Jung por uma série de motivos. A primeira pergunta é a seguinte: eles são reais ou simples produtos da fantasia? Esta questão não foi resolvida. ainda, de forma alguma. Se são reais, o que são, então? Se são fantasias, por que deveria existir um boato desses? Sabemos por experiência que notícias sobre a existência de OVNIS (Objetos Voadores Não Identificados) são sempre bem-vindas. A opinião pública concorda que se acredite que os OVNIS sejam reais, enquanto a descrença deve ser desencorajada. Há realmente uma tendência em se acreditar nos OVNIS, como também o desejo de que eles sejam reais. Este fato curioso já merece por si o interesse de um psicólogo como Jung. As páginas deste livro são uma tentativa de responder a estas questões. O Autor: Carl Gustav Jung (1875-1961) é uma das mais vigorosas expressões da ciência contemporânea. Não há praticamente campo do saber humano que não fosse pesquisado por ele no afã de reunir o maior material possível que revelasse os meandros profundos da psique humana. Valorizou o fenômeno religioso e místico como uma das manifestações mais transparentes das profundezas do inconsciente coletivo.
...............................................................................

Livro:
Psicologia do Inconsciente

Um livro de especial interesse para os profissionais em Psicologia e para os leigos que apreciam estudos dessa natureza. No decorrer dos anos foram feitas diversas novas edições. submetidas a um contínuo processo de aperfeiçoamento e desenvolvimento pelo próprio autor. Sua intenção é simplesmente dar alguma orientação sobre as mais recentes interpretações da essência da psicologia do inconsciente. Por considerar o problema do inconsciente de extrema importância e utilidade e por saber que diz respeito intimamente a todos e a cada um de nós, julgou oportuno colocá-lo ao alcance do público leigo e culto. Este estudo surgiu durante a guerra mundial e deve sua existência principalmente à repercussão psicológica dessa grande conflagração. A guerra terminou, mas os grandes problemas psíquicos levantados por ela continuam preocupando a sensibilidade dos que pensam e pesquisam. O autoconhecimento de cada indivíduo, a volta do ser humano às suas origens, ao seu próprio ser e à sua verdade individual e social, eis o começo da cura da cegueira que domina o mundo de hoje. O interesse pelo problema da alma humana é um sintoma, segundo o autor do livro, dessa volta instintiva a si mesmo. As informações contidas neste livro não pretendem abranger a totalidade da psicologia analítica. Muitos pontos são apenas esboçados e outros nem são mencionados. O autor recomenda o estudo das principais obras sobre psicologia médica e psicopatologia, além de uma revisão cuidadosa dos compêndios de psicologia existentes.
...............................................................................
Livro:
Psicologia e religião
Em suas investigações científicas em torno da mente humana profunda, Jung se deparou constantemente com o fenômeno religioso que chegou a prender seu interesse de tal forma a ocupar um lugar central nos escritos do cientista, especialmente os dos últimos anos. Mantendo-se num plano rigorosamente científico, ele observou acurada e conscienciosamente toda espécie de manifestação daquilo que podemos chamar de fator religioso, tomado em sua amplidão universal, abrangendo, portanto, as representações religiosas tanto do homem primitivo bem como as formas diversas de religiões que se manifestaram nas fases mais avançadas da cultura humana ao longo dos séculos. Após essas investigações, Jung sentiu-se obrigado a reconhecer, “como conteúdos arquétipos da alma humana, as representações primordiais coletivas que estão na base das diversas formas de religião”. Mesmo sem nunca ter falado expressamente de Deus com o propósito de demonstrá-lo, Jung, nesse estudo, admite na estrutura profunda da mente humana uma potencial idade nata que impulsiona o ser humano a procurar a Deus e com ele se relacionar através da religião. A importância desse assunto, analisado pelo enfoque psicológico, adquire maior interesse por ser tratado por C. G. Jung, pioneiro insuperado nas pesquisas da Psicologia Profunda.

...............................................................................
Livro:
Os Arquétipos e o Inconsciente Coletivo


Uma das teorias mais conhecidas de C.G. Jung é a idéia dos arquétipos e de seu correlato, o conceito de inconsciente coletivo. Para Jung, o inconsciente coletivo é um segundo sistema psíquico da pessoa. Diferentemente da natureza pessoal de nossa consciência, ele tem um caráter coletivo e não pessoal. Jung o chama também de “substrato psíquico comum de natureza suprapessoal”, que não é adquirido, mas herdado. Consiste de formas preexistentes, arquétipos, que só se tornam conscientes secundariamente. Este volume contém trabalhos dos anos 1933-1955. Os três primeiros capítulos são fundamentações teóricas. Seguem capítulos descrevendo arquétipos específicos, um estudo sobre a relação dos arquétipos com o processo de individuação, bem como trabalhos com material tirado da prática psicoterapêutica do autor.




................................................................................

Livro

O Segredo da Flor de Ouro: Um Livro de Vida Chinês

http://www.esnips.com/doc/865c6075-c4b1-407b-925e-a7e0b8379249/C[1].-G.-Jung--R.-Wilhelm---O-Segredo-da-Flor-de-Ouro

Em fins de 1929 C. G. Jung e o sinólogo Richard Wilhelm publicaram O Segredo da Flor de Ouro, um livro de vida chinês (Dornverlag, Munique). O livro continha a tradução de um velho texto chinês, Tai I Ging Hua Dsung Dschi (O Segredo da Flor de Ouro), com seus próprios esclarecimentos e um comentário "europeu" de Jung. Anteriormente, no mesmo ano, os dois autores haviam publicado na Europäischen Revue V: 2/8 (Berlim, novembro) pp. 530-542, uma versão resumida do mesmo livro, sob o título de Dschang Scheng Schu: a arte de prolongar a vida humana, título alternativo da Flor de Ouro. No dia 10 de maio de 1930, Jung pronunciou em Munique um discurso comemorativo da morte de Richard Wilhelm, falecido a 1~ de março. Seguiram-se várias edições e em 1957 foi publicada uma quinta edição, completamente refundida (Rascher, Zurique), contendo um texto adicional de Liu Hua Yang, Hui Ming Ging: Livro da Consciência e da Vida, com prefácio de Salomé Wilhelm, viúva do sinólogo. Novas edições apareceram em 1965 (Rascher, Zurique) e 1974 (Walter, Olten). O "Necrológio de Richard Wilhelm" feito por Jung encontra-se em: Ges. Werke XV (1971). Nosso texto, diz C. G. Jung, promete "revelar O Segredo da Flor de Ouro, do grande Uno". A flor de ouro é a luz, e a luz do céu é o Tao. A flor de ouro é um símbolo mandálico que encontrei muitas vezes nos desenhos de meus pacientes. Ela é desenhada a modo de um ornamento geometricamente ordenado, ou então como uma flor crescendo da planta. Esta última, na maioria dos casos, é uma formação que irrompe do fundo da obscuridade, em cores luminosas e incandescentes, desabrochando no alto sua flor de luz (num símbolo semelhante ao da árvore de Natal).
Tais desenhos exprimem o nascimento da flor de ouro, pois, segundo o Hui Ming Ging, a "vesícula germinal" é o "castelo de cor amarela", o "coração celeste", os "terraços da vitalidade", o "campo de uma polegada da casa de um pé", a "sala purpúrea da cidade de jade", a "passagem escura", o "espaço do céu primeiro", o "castelo do dragão no fundo do mar". A Editora Vozes iniciou em 1977 a publicação dos 18 tomos das Obras Completas de C. G. Jung (1875-1961), uma das mais vigorosas expressões da ciência contemporânea. Embora discípulo e grande admirador da obra do mestre Freud, Jung seguiu seu caminho próprio. Elaborou um método próprio e avançou posições que não se constituem em apenas complementações da visão freudiana, mas sim alternativas muito bem fundamentadas. A partir das próprias experiências interiores refez conceitos sobretudo do inconsciente, reinterpretou os arcaicos mitos da humanidade e revalorizou o fenômeno religioso e místico como uma das manifestações mais transparentes das profundezas do inconsciente coletivo. Toda esta riqueza está agora ao alcance dos estudiosos brasileiros, numa tradução trabalhada com esmero e amadurecida na pesquisa.